18 maio 2007

"PIM NA DIVERSIDADE" CAPACITA GRUPO DE TRABALHO

No dia 16 de maio, o Grupo Técnico Estadual (GTE) do Programa Primeira Infância Melhor (PIM) realizou a primeira capacitação para o projeto PIM na Diversidade: Comunidades Quilombolas, no auditório da Secretaria da Justiça e Desenvolvimento Social do RS, tendo a oportunidade de trocar experiências com o Grupo Técnico Municipal (GTM) do PIM do município de Santana da Boa Vista, primeiro a atender uma comunidade quilombola pelo programa.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Leila Almeida, coordenadora do Progrma PIM
Maria da Graça Paiva, coordenadora do projeto PIM na Diversidade
Kátia Santos e Débora Gonzalez, do GTM de Santana da Boa Vista

No dia 18 de maio, Porto Alegre será o primeiro município a ter a iniciativa de capacitar visitadores para o projeto PIM na Diversidade: Comunidades Quilombolas, com o tema "A cor do PIM".

*************************
EDUCAÇÃO - Os 65 estagiários de Psicologia, Psicopedagogia e Pedagogia do programa Porto Infância Alegre (PIM/PIÁ), que atende também populações quilombolas da Capital, participarão, hoje, 18, de capacitação étnica. O objetivo da ação promovida pela Assessoria de Relações Étnicas da Secretaria Municipal de Educação (Smed) é garantir subsídios culturais aos estagiários relacionados à cultura negra. O encontro acontecerá no Santander Cultural (Rua Sete de Setembro, 1028, Centro). "Com a formação, queremos contribuir para qualificar, ainda mais, as abordagens, a partir de informações sobre os quilombos urbanos, a realidade do afro-descendente e sua história”, destaca a assessora de Relações Étnicas na Smed, Adriana Santos.

FONTE: www.portoalegre.rs.gov.br

***************************

GRUPO DE ESTUDOS PREPARA IMPLANTAÇÃO DO PIM EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS

da Assessoria de Comunicação Social, da Secretaria da Saúde/RS
OUT, 2006

Photobucket - Video and Image Hosting

Maria da Graça, do PIM e
Janja, do Quilombo dos Alpes/POA

A Secretaria Estadual da Saúde (SES/RS), através do programa Primeira Infância Melhor (PIM), está coordenando, desde o início de agosto, um grupo de estudos que tem como objetivo conhecer as características culturais e as experiências familiares das comunidades remanescentes de quilombos, para melhor atendê-las de acordo com a metodologia do programa. A intenção é em breve constituir o PIMQUI - Primeira Infância Melhor para as Comunidades Remanescentes de Quilombos. Estudos indicam a existência de 2.800 comunidades quilombolas no Brasil, 127 delas já reconhecidas no Rio Grande do Sul. De acordo com a coordenadora do grupo e membro da coordenação do Grupo Técnico Estadual do PIM, Maria da Graça Paiva, "estas comunidades requerem um olhar diferenciado sobre a infância, por questões sócio-históricas e culturais e por viverem em coletividade".

O pedido de extensão do PIM para a região dos quilombos, na localidade de Rincão dos Mouras, foi feito pela Prefeitura Municipal de Santana da Boa Vista. A comunidade está situada em uma das áreas mais pobres do meio rural, onde se concentra o maior número de quilombos da cidade. O grupo de estudos, que tem se reunido semanalmente, conta com a participação de membros da coordenação e técnicos do PIM; do Conselho de Desenvolvimento e Participação da Comunidade Negra no RS; e das secretarias estaduais da Saúde, da Assistência Social e da Educação. Também participam pesquisadores, colaboradores e representantes da sociedade civil interessados no tema.

Entre os objetivos dos encontros está o conhecimento profundo de algumas comunidades, visando coletar subsídios de suas experiências e cultura para a implantação do PIMQUI. O grupo também pretende adaptar os conteúdos culturais e atividades educativas apuradas à proposta metodológica do Primeira Infância Melhor. O PIM tem como proposta principal orientar as famílias, a partir de sua cultura e experiências, para que possam estimular o desenvolvimento pleno das capacidades e potencialidades das crianças de zero a 5 anos e 11 meses de idade. Atualmente, o programa atende 39.725 famílias em 222 cidades gaúchas. Deste total, 26 municípios possuem comunidades remanescentes de quilombos.

O grupo já realizou o levantamento sobre a localização das comunidades quilombolas em todo o Estado e também o mapeamento das áreas atendidas pelo PIM onde se encontram estas comunidades, inclusive verificando as Coordenadorias Regionais de Saúde e de Educação com maior incidência destas populações. As comunidades remanescentes de quilombos na região de Porto Alegre - Família Silva e Morro dos Alpes - também receberam a visita de integrantes do grupo.

Photobucket - Video and Image Hosting
Rita, do Quilombo dos Silva/POA

www.saude.rs.gov.br

*****************************
PIM
Primeira Infância Melhor

Photobucket - Video and Image Hosting

O Programa Primeira Infância Melhor (PIM), implantado em 7 de abril de 2003, pelo seu caráter intersetorial, constitui uma política pioneira no Rio Grande do Sul.

Seu foco é o estímulo ao desenvolvimento integral da criança na fase dos zero aos seis anos de idade. Nos últimos anos, estudos científicos apontaram esta etapa como fundamental para o desenvolvimento pleno das capacidades físicas, intelectuais, sociais e emocionais do ser humano.

www.pim.saude.rs.gov.br

********************************

ESTADO DIVERSIFICA ATENDIMENTO DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR
do site www.pim.saude.rs.gov.br
Fev, 2007

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Para ampliar os resultados do Primeira Infância Melhor (PIM), programa voltado para o atendimento às famílias, gestantes e crianças de zero a seis anos, o governo do Estado, via Secretaria Estadual da Saúde (SES/RS), está investindo em uma nova proposta de planejamento. A estratégia é oferecer atividades pedagógicas variadas conforme as características de cada comunidade atendida. Isso vem ocorrendo através de um segmento do PIM, o Programa Primeira Infância Melhor na Diversidade. Lançada em dezembro do ano passado, essa iniciativa visa atender algumas necessidades específicas de cada um dos municípios em que o programa já está implantado. Para isso, a SES formou em agosto de 2006 um grupo de estudos encarregado de conhecer e avaliar as características culturais e as experiências familiares dessas comunidades e, dessa forma, melhor atendê-las de acordo com a metodologia do programa. Os estudos iniciais foram direcionados para comunidades indígenas e quilombolas, com base na Reserva do Guarita, em Redentora, e no Quilombo dos Dutras, em Santana da Boa Vista.

A coordenadora do grupo e integrante da coordenação do Grupo Técnico Estadual do PIM, Maria da Graça Paiva, justifica a escolha dessas etnias. "Estas comunidades requerem um olhar diferenciado sobre a infância, por questões sócio-históricas e culturais e por viverem em coletividade". Segundo Maria da Graça, estas experiências serão o marco de partida para constituir o programa PIMQUI (Primeira Infância Melhor nas Comunidades Remanescentes de Quilombos) e aprimorar o programa Primeira Infância Melhor nas Comunidades Indígenas (PIMI).

Conforme Leila Almeida, coordenadora geral do PIM, "a escolha do termo diversidade, neste primeiro momento, contempla a questão da valorização cultural, ou seja, do respeito e promoção das diferentes culturas, visto que a sociedade riograndense é uma sociedade pluriétnica e multicultural".

O secretário estadual da Saúde, Osmar Terra, projeta uma qualificação do atendimento à primeira infância a partir das novas estratégias, na medida que "este projeto prima por ações de promoção e desenvolvimento das famílias, respeitando as particularidades de cada comunidade". Terra destacou também que essas medidas são parte das estratégias de prevenção e de redução da violência doméstica e da ruptura de ciclos de pobreza e exclusão social. "Mais uma meta da SES para elevar a qualidade de vida das gerações futuras", completa Terra.

De acordo com a coordenação do PIM, o programa está atendendo atualmente 40.250 famílias, 4.830 gestantes e beneficiando 60.375 crianças em todo o Estado. No total, 226 municípios estão habilitados a desenvolver o programa e, para isso, recebem assessoria, acompanhamento e avaliação do Grupo Técnico Estadual (GTE) e de uma equipe multidisciplinar de técnicos que atuam junto à sede do programa. Até agora, a SES já capacitou 315 municípios, explicando os conceitos, objetivos, estrutura e importância do Primeira Infância Melhor. Nas comunidades, o trabalho está sendo realizado por 1.610 visitadores.

0 comentários:

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Hot Sonakshi Sinha, Car Price in India